Afinal, Linux é tudo igual?

Vi uma um vídeo no site Meio bit que me fez pensar na seguinte questão: Afinal, Linux é tudo igual?

Já usei várias distribuições de Linux e trabalho com esse sistema ja faz alguns anos. Entre o Conectiva 5 e o Ubuntu 8.04 já usei quase tudo o que foi lançado nesse período. Usei distribuições amigáveis como o Mandrake – hoje conhecido como Mandriva (onde foi que arrumaram esse nome?); distribuições mais espartanas como o Slackware; outras mais confusas como o Debian (sim o Debian ja foi um saco pra instalar). Fiquei impressionado quando lançaram  as distribuições que rodavam direto do CD! E quase infartei quando quando saíram versões que roda até em pendrive.

Analizando as distribuições que experimentei posso afirmar que apesar de todas terem, digamos assim, uma centro nervoso comum (o Kernel) todas as distribuições – ou versões de Linux como eu já ouvi muito – são diferentes. Sendo assim todas tem seu nível de qualidade. As distribuições mais conhecidas – Ubuntu, Mandriva e Fedora – são as que considero mais amigáveis ao novo usuário iniciante. Mas por que essas?

Elas são mais polidas, e bem acabadas. Bem diferente das versões que vemos enfiada nos notebooks e desktops que vendem por ai. Ja li muita coisa falando dessas versões de Linux pré-instaladas e li também muitas notícias sobre pessoas que compram uma máquina novinha e instalam um Windows pirata por cima. Será que se fosse pré-instalada uma distribuição mais polida e melhor configurada os novos usuários do sistema nao se sentiriam mais confortáveis?

Uma dica que posso dar para os iniciantes ou aqueles que querem comprar uma máquina nova e querem economizar uma dinheiro: compre uma máquina que tenha uma boa distribuição de Linux instalada e configurada. Não adianta comprar um notebook sem saber se tudo funciona como deveria. Quem não sabe disso pressupõe que “a máquina ta rodando”, mas infelizmente não é bem assim: muitos fabricantes não configuram o sistema como deveriam. Resultado: cameras que não funcionam, internet sem fio que não roda, pendrive que não é reconhecido.

E de quem é a culpa? 

1) dos fabricantes: pois simplesmente entregam um produto mal acabado;

2) dos desenvolvedores das distribuições nacionais: sim, pois não testam suas distribuições nos hardwares que são vendidos por aqui.

A melhor dica que eu posso dar para alguem que quer comprar um sistema que tenha Linux instalado é essa: pesquise antes de comprar. Procure no Google informações sobre o fabricante da máquina, que tipo de Linux está instalado. Converse com usuários mais experientes de Linux. Pesquise nos fóruns sobre qual é a impressão que tiveram sobre determinada marca de PC e a distribuição que está instalada.

Se ainda sim você tiver dúvidas a respeito, você pode instalar uma das distribuições que eu recomendei anteriormente. Melhor ainda, experimente uma que se adapte a sua necessidade. Porque, diferente do que todo o leigo imagina, Linux não é tudo igual.

4 Comments.
  1. Ótimo artigo. Aliás, penso de forma semelhante em relação a esse assunto.

  2. Olívio Farias

    Adorei seu texto amigo.
    Realmente temos que escolher a distribuição que nos agradas e não aquela que todo mundo usa ou é pra quebrar cabeça. Já eu penso que tendo uma distro para fazer minhas necessidades no meu computador pra mim tá ótima. Também estava querendo comprar um notebook e por Ubuntu ou Fedora, ainda estou em dúvida. Seu texto é bem claro e ótimo para mostrar para os iniciantes e avançados que Linux não é a mesma coisa. Isso depende do usuário. E distribuição que lhe cai bem…

    Abração, vou começar a ler mais vezes seu blog.
    Acabei achando no twitter, indicado pelo meu amigo Dalton.

  3. Este é um velho assunto q já discutimos e não tem fim

    Alguns pontos e desculpas q já ouvi:
    1. até mesmo os Asus EEE PC também são convertidos para windows

    2. Um grande problema é a “inércia”. as pessoas não querem ou tem paciência de reaprender como usa um sistema operacional novo, procurar novos programas para usos do dia-a-dia, estam cômodos com o seu conhecimento e capacidade de uso dos programas e padrões do mercado

    3. paradigmas e compatibilidade dos seus arquivos e com um sistema novo (quem não ouviu a pergunata: isto aí é compatível com o word)

    4. não conhece alguém q usa Linux para te socorrer quando algo dá errado (nem o cara do help desk ou tecnico sabe mecher)

    5. usuário não tem conhecimento suficiente para instalar um sistema operacional (além de realizar o preparativo do computador)

    6. tem quantas revistas/artigos sobre linux e windows?

    7. linux é de “graça” e o windows pode ser “adquirido” por R$ 10 ou vc já pagou ao comprar a máquina

    8. o linux ainda é mais difícil de usar (compare o conhecimento necessário sobre informática de um usário MacOS < Windows < Linux modo gráfico < outros)

    9. tem poucas empresas que apóiam o linux (hardware, software e desenvolvedores de tecnologia), apesar de muitos usarem

    10. linux não tem apelo comercial/marketing

    Ou seja: o linux pode ser melhor em muitos pontos sobre o windows ou outro sistema operacional, mas sempre será o coadjuvante enquanto a sociedade não quiser buscar algo novo

    PS1. começamos a mexer com o Conectina 4.2 server

    PS2. existe o programa UNetbootin ( http://baixaki.ig.com.br/download/UNetbootin.htm ) que instala em um pen drive o ubuntu (acho q outras distribuições também) a partir de um arquivo iso do livecd

  4. Apesar de fazer muitos anos que você escreveu este texto, ele ainda é muito atual.
    Obrigado por compartilhar seus apontamentos.

Comments have been disabled.