Como acabar definitivamente com a pirataria de software e musica?

Bandeira Pirata

Bandeira Pirata

É possível acabar definitivamente com a pirataria de software e musica?

Acredito que sim. Mas não com essas ações que tenho lido ultimamente nos blogs por ai. Dizem que os lucros com a pirataria de software ajudam a financiar ações ilícitas como o tráfico de armas, drogas e afins. Não discordo disso, mas colocar isso como argumento para o povão, que já está mais do que saturado a ver desgraças todos os dias, realmente não funciona.

Li que estão aprendendo computadores e fazendo o maior “AUÊ” por ai para acabar com a pirataria. Mas acho que o foco está errado. Não é atrás dos usuários que se deve correr atrás com tochas e foices. O usuários usam software pirata por um bom motivo: o preço.

Veja por exemplo: quem tem a capacidade de pagar mais de R$ 2.000 em um Photoshop? Somente uma agência grande de publicidade, certo? Ou pagar R$ 800 por uma versão do Windows Vista, que equivale a quase a METADE do valor de um PC popular? E quanto a músicas: pagar R$ 50 em um CD de áudio é abusivo.

Logicamente que o usuário que tem uma grana mais curta (que é a maioria pelo menos aqui no Brasil) vai ir pra uma Santa Efigência da vida e pagar “Deiz Reau” em uma cópia de um desses softwares. No caso das musicas compra a discografia de um cara pelos mesmos R$ 10.

Por quê ao invês de cobrarem esse absurdo de preço, não cobram um valor mais amigo e ganham na quantidade? Não seria mais fácil a Microsoft, por exemplo fazer uma única versão do Windows e cobrar digamos R$ 39,90. Não estou falando de uma versão capada, mas uma versão funcional do sistema.

Com certeza se as fabricantes de softwares mudassem esse modelo de negócio, com certeza acabaria a pirataria, pelo menos em parte dela. Em parte, pois não existe só um culpado nessa história, temos mais um aqui: o governo e os impostos.

Por causa dos impostos de importação o valor de um pc, notebook ou software pode encarecer em até 80% (alguém me corrija se estiver errado). Isso mais o lucro das revendas e impostos regionais. Somando tudo isso o valor fica astronômico.

Agora a coisa com relação a musica é mais fácil ainda de resolver: abre-se de uma vez uma boa loja on-line e venda a faixa a 45 centavos de Real. Pronto acabou a pirataria, certo?

Mas como disse anteriormente, o grande problema são os modelos de negócios adotados por essas empresas. Enquanto esses modelos existirem, existirá a pirataria.

2 ideias sobre “Como acabar definitivamente com a pirataria de software e musica?

  1. Pedro

    A respeito dos imposto sobre computadores:

    Não se pode mais culpa-los como responsável dos preços altos em relação a PC e Notebooks. Eis que existem diversos pontos em que o governo se preocupou pra garantir o programa de Inclusao Digital sendo alguns deles;

    Diminuir a aliquota sobre computadores e seus componentes.

    Trazer empresas para as Zonas Francas (que são areas livre de impostos, sendo toda produção ali feita isentas)

    Torna a critica aos impostos algo muito vago e pouco fundado, acho que poderias entrar mais afundo numa pesquisa a respeito, ou entao retirar este ponto deste artigo.

    De resto, achei uma critica muito boa e importante, eis que a realidade Brasileira não pode ser comparada com paises desenvolvidos (capitalistas).
    Que me levou a uma reflexão da atual realidade, que destoa muito do governo dos paises subdesenvolvidos, haja vista que o governo de paises capitalista tem muito menos responsabilidades, pregando a não interferencia estatal em assuntos privados, pois isto prejudicaria os lucros, a livre concorrencia, a estabeleceria vinculos/dependencia. O curioso é que em tempos de crises o setor privado clama por socorro justamente áquele que condena a sua intervenção (o Estado).

    Gostei de ler essa sua fundamentação, e espero ver outros artigos que tambem levem a reflexão, e que tenha mais fundamentos/pesquisa nos proximos, tornando mais agradavel, além de embasada, a leitura.

  2. evandrolinux Autor do post

    Bom dia Pedro!

    Obrigado pelo comentário no blog.

    Concordo contigo. Falei muito superficialmente sobre os impostos, pois como você mesmo identificou, o assunto é mais profundo e não tinha a intenção de mergulhar nele, mas já que tocou no assunto…

    A Zona Franca de Manaus: ela foi criada em 1967 para, a grosso modo, dar um estimular o crescimento de indústrias na região Amazônica e promover seu desenvolvimento. O maior estímulo que deram foram a isenção de alguns impostos. Na época funcionava muito bem. Mas hoje isso não ocorre, pois a maioria das indústrias lá instaladas, não repassam esses benefícios para o consumidor. Veja um trecho de um artigo com o título “Os donos da Selva” que saiu na Revista Veja no dia 21 de maio de 1997:

    “Pela legislação da Zona Franca, os produtos fabricados em Manaus devem ter um índice mínimo de nacionalização. Para cada dólar comprado no exterior, as empresas devem gastar outros 4 dólares na compra de peças e componentes fabricados no Brasil. Ocorre que o Estado do Amazonas só recolhe ICMS sobre o dólar gasto lá fora. Amazonino fez aumentar a arrecadação estimulando as empresas a importar todos os componentes e apenas montar os produtos em Manaus. Para as empresas era vantajoso porque, apesar de pagar mais ICMS, a diferença era largamente compensada pela importação isenta de qualquer taxa.”

    E essa prática ocorre até hoje. Já que não existe esse repasse dos benefícios que essas empresas conseguem, não tem sentido que se exista a Zona Franca.

    Seja lá qual for o tributo: de importação, ICMS, IOF, prejudicam e muito qualquer setor econômico. O Brasil tem uma avalanche de impostos que poucas pessoas tem ideia. Você sabia que existem até o dia 24/09/2008: 84 tipos de impostos? E que antes desse número, quando haviam somente 74 tributos, eles comiam 48,83% do bruto das empresas brasileiras? (http://www.dominiofeminino.com.br/trabalho_negocios/empresarios/74impostos.htm) faturamento

    Mas por quê tantos impostos? Má administração do governo, lógico. Se houvessem políticas públicas mais eficientes não seria necessário essa quase centena de impostos para cobrirem os rombos que o próprio governo cria.

    Enfim, se eu for organizar essas ideias vou acabar escrevendo um livro, e isso fugiria do escopo do blog, entendeu porque fui superficial?

    Abraco e volte sempre :D

Os comentários estão fechados.