Como determinar um tipo de arquivo usando o terminal

A partir dos problemas que aconteceram devido ao meu post sobre o w3player, resolvi dar essa dica simples que pode evitar dores de cabeça.

Imagine a situação: você deixou o pc ligado a noite toda para pegar um arquivo gigantesco. Depois do download terminar, pela manhã, você vai feliz e com vontade de abrir o arquivo e o programa diz que aquele arquivo nao é um avi, zip ou seja lá qual extensão for.

Para tirar a dúvida faça o seguinte:

Abra o terminal e digite:

file nome-do-arquivo

O comando file verifica que tipo de arquivo você está lidando, mesmo que ele não tenha uma extensão.

Essa dica vale para qualquer distribuição Linux. Para os usuários de Windows realmente não sei se existe algo ou algum aplicativo que faça isso.

Se alguém souber por favor, comente aqui.

Powered by ScribeFire.

TimeVault: o Timemachine do Linux.


Você viu o Time Machine da Apple e ficou maldizendo o seu Linux box…

Tudo bem, eu também fiz isso. Mas agora isso acabou, (nossa ficou parecendo coisa do Casseta), lançaram o TimeVault.

Ele tem a mesma funcionalidade do Time Machine da Apple: recupera arquivos apagados do sistema em um click.

Tudo bem que ele não tem aquela interface cinematográfica, mas convenhamos, quem precisa disso?

O programa ainda esta em alfa e só recomendamos para desenvolvedores ou para quem tem sangue frio e gosta de aventuras. Tem pacotes para Debian e Ubuntu 😉

Site do TimeVault

Powered by ScribeFire.

Juntando legenda + filme em xvid (divx) no Linux

Depois de aprender a lidar com as legendas, vou passar alguns comandos para fazer um ‘merge’ ou uma junção da legenda com o filme.

O primeiro passo é pegar a legenda, ao contrário do que fiz no artigo anterior, a legenda deve ficar com a codificação ISO, pois senão a legenda vai aparecer quebrada no arquivo final.

Para juntar o filme com a legenda deve se ter instalado o mencoder, no terminal, faça:

sudo apt-get install mencoder

Ainda no terminal, vá até a pasta onde estão os arquivos: o filme e a legenda, após isso digite:

mencoder -oac copy -ovc lavc -sub "filme_legenda.srt" -o "filme_arquivo_final.avi" "filme_arquivo_original.avi"

Não esqueça de substituir os parâmetros em negrito conforme a sua necessidade.

Uma dica extra: se você quiser aproveitar e fazer todo esse processo e ainda codificar o filme em mpeg4, use o seguinte comando:

mencoder -oac copy -ovc lavc -lavcopts keyint=25:vcodec=mpeg4:vbitrate=945:vpass=1 -sub "filme_legenda.srt" -o "filme_arquivo_final.avi" "filme_arquivo_original.avi"

Eu mudei o valor do parâmetro vcodec para xvid e notei que a codificação demorou muito e o arquivo final ficou muito grande.

Dúvidas? Sugestões? Deixe um comentário 😀

Powered by ScribeFire.

Lidando com legendas de filme no Linux

Faz um tempão que estou apanhando das legendas de filmes.

É legenda que não aperece no filme, é legenda que aparece quebrada ou aparece de vez em quando…

Depois de pesquisar muito e dançar o miudinho com esse negócio, resolvi dividir minhas experiências com vocês.

Todos esses procedimentos foram feitos usando o Ubuntu 7.04

O nome do arquivo:
Essa é uma coisa que descobri ser muito importante. O nome do arquivo deve ter o mesmo nome do arquivo em Divx ou Xvid (ou qualquer outro), com excessão da extenção. Por exemplo:

filme_1234.divx
filme_1234.str

Com isso você garante que o player irá carregar o arquivo de legenda. Isso ocorre automaticamente no Totem. E por falar em Totem…

Trocando o backend do Totem

Uma coisa que descobri, é que o pacote totem-gstreamer não lida muito bem com legendas, alias não lida muito bem com quase nada…

Portanto troquei o pacote totem-gstreamer pelo totem-xine. Pra fazer isso é só usar o bom e velho apt-get ou synaptic:

sudo apt-get install totem-xine.

Mudando a codificação da legenda

Um outro problema que me deparei, foi com as legendas quebradas. Isso acontece devido a codificação errada da legenda. O Ubuntu trabalha, no geral usando a codificação UTF-8.

Para corrigir esse problema eu usei o pacote recode. Para instalar é só usar esse comando:

sudo apt-get install recode

Depois, no terminal é só ir no local onde está a legenda. Lá use esse comando:

file nome-da-legenda.srt

O resultado do comando vai ser mais ou menos esse:

nome-da-legenda: ISO-8859 text, with CRLF line terminators

Aqui o comando file já mostra qual é o tipo de codificação está o texto. Essa legenda está em ISO-8859, agora vamos transormá-la em UTF-8:

recode iso-8859-15..utf-8 nome_da_legenda

Uma outra maneira de resolver isso é usando o iconv:

iconv -f iso-8859 -t utf-8 legenda.original > legenda.original.utf8

Uma outra coisa que pode ser feita é abrir o video via terminal. Mas ANTES de se abrir o video, mudar a codificação do terminal para Western ISO-8859.

No Ubuntu 7.04 se faz isso indo em Terminais -> Definir Codificação de Caracteres.

Essas dicas para a conversão de legendas achei aqui.

Creio que com essas dicas você irá resolver qualquer problema com legendas, não só no Ubuntu, mas em qualquer outra distro 😉

Comentários são bem vindos 😀

[update]

O comando para a conversão usando o recode estava errado. Segue o comando correto:

recode iso-8859-15..utf-8 nome_da_legenda

O comando no texto foi também corrigido.

Ativando efeitos 3D no Ubuntu 7.04: Beryl + ATI Radeon

Estava procurando um tutorial bom pra fazer isso no meu notebook, mas ao ver essa linha no tutorial do HowtoForge fiquei desanimado:

2D Acceleration Only: Xpress 200M Northbridge integrated GPUs

Tudo bem… De qualquer forma vale a pena registrar os links:

Howto Forge: Tutorial muito bem explicado pelo pessoal do Howto Forge.

Arquivo da lista Ubuntu-br tem uma discussão bacana sobre como colocar pra funcionar essa placa de vídeo usando XGL+ Beryl

No Wiki do projeto Beryl tem um tutorial de como fazer isso usando o AIGLX.

Ubuntu: instalação de codecs sob demanda… na trave!

A ideia é ótima, mas essa foi na trave.

Porém tenho que admitir, que não tem como essa ideia ser realmente efetiva sem que se instale os codecs chamados ‘restritos’.

Para se rodar um mp3 vá lá, mas não instalar um codec para rodar um DVD encriptado é dose.

Pra variar o usuário leigo, ainda, vai ter uma dificuldade para rodar os seus preciosos DVDs no Ubuntu. Não entendo porquê não fazem logo um link para instalar o automatix

Outra coisa, o pacote totem-gstreamer parece estar muito bugado pro meu gosto. Tanto que mudei para o totem-xine… Fica aqui a dica.

Instalador do Ubuntu via Windows

Instalar uma distribuição linux nos dias de hoje é muito fácil, mas há quem ainda tenha dúvidas na hora de lidar com o sistema do pinguim.

Mas logo isso irá acabar: foi iniciado um trabalho no Ubuntu forums que visa criar um instalador para o Ubuntu para o Windows.

Segundo o OS News, usando esse instalador o usuário não teria que fazer, dentre outras coisas, qualquer modificação na BIOS para dar o boot via cd, facilitaria o particionamento de disco e criaria um sistema de dual boot facilitado.

Creio que se esse projeto for levado a cabo, será uma excelente oportunidade de mais pessoas terem contato com o Linux.

Ubuntu sources.list generator: uma mão na roda!

Ontem tive problemas para atualizar minha lista de repositórios do Ubuntu. Como estava usando um servidor aqui no Brasil resolvi mudar pra um outro e ver o que diabos estava acontecendo.

Porém meu sources.list é relativamente grande e não estava muito a fim de ficar mudando linha a linha o arquivo, muito menos queria usar o sed ou awk. Deveria ter um meio mais rápido e fácil de gerar um source.list.

Vasculhando a net achei o Source-o-matic, que gera um sources.list prontinho pra usar. É só escolher o país onde você mora, qual a versão do Ubuntu você tem instalado e qual a arquitetura do seu sistema. Depois você escolhe os repositórios que você gostaria de usar. Após essas configurações, uma lista é gerada pra você colocar em seu sources.list

Muito provavelmente, será necessário pegar as chaves gpg dos repositórios porém o arquivo é gerado com as instruções para você pegar as chaves manualmente. Talvez seja essa a única falha desse sistema: não pegar automaticamtente as chaves gpg.

Esse site mais o pacote Automatix são uma mão na roda na hora de adicionar repositórios para atualizar o sistema.

Referências:

Source-o-matic: site que gera um arquivo sources.list prontinho pra usar no Ubuntu.
Automatix: instala pacotes não gratuitos ou não suportados pela comunidade (codecs de video, mp3, dvd, etc…)
Sed Howto: O Aurelio fez um howto de como usar o sed. Vale a pena dar uma lida.
Awk: um manual de Awk feito pela PUCRS

Ubuntu 6.10 + Broadcom bcm4318 = dor de cabeça

Outro dia estava conversando com o Ricardo Macari, e ele me contou que estava tendo problemas pra fazer funcionar o módulo da placa de rede wireless Broadcom bcm43xx no Ubuntu 6.10.

Comentei que eu estava com o mesmo problema: se o módulo do wireless é ativado o Xorg trava. Nem Ctrl+Alt+Backspace também não funciona!

Aparentemente o problema é um conflito do Xorg com o módulo bcm43xx, mas só aparentemente. Não contente, rezei pra São Google e achei um tutorial excelente, bem simples e que acabou com o problema. Aqui vai uma versão resumida do dito cujo:

1) instale o programa ndiswrapper-utils-1.8 e o ndiswrapper-common;

sudo apt-get install ndiswrapper-utils-1.8 ndiswrapper-common

2) abra o aquivo a seguir com o seu editor de textos favorito:

sudo gedit /etc/modprobe.d/blacklist

3) insira esse código dentro do arquivo backlist:

blacklist bcm43xx

salve o arquivo.

4) após isso digite no terminal:

sudo rmmod bcm43xx

5) pegue o driver, para Windows, da sua placa de rede wireless. Caso você não tenha ele à mão pode pegá-lo aqui

6) Instale o driver usando o ndiswrapper. Supondo que o driver esteja no Desktop, faça:

sudo ndiswrapper -i ~/Desktop/bcmwl5.inf

7) cheque se o dispositivo e o driver estão ok:

sudo ndiswrapper -l

O resultado do comando deve ser parecido com isso:

Installed drivers:
bcmwl5          driver installed, hardware present 
 

8) Adicione essa linha ao arquivo /etc/modules:

ndiswrapper

9) reinicie o sistema;

10) configure a sua placa de rede usando o utilitário de rede que fica em:

Sistema-> Administração ->Rede

Eu preferi usar o programa Network Manager. Você pode instalá-lo usando:

sudo apt-get install network-manager-gnome

Por ele você configura perfis de acesso tudo em um único ícone na sua barra de tarefas 😀

O tutorial original está em http://ubuntuforums.org/showthread.php?t=185174

Dúvidas e/ou sugestões, deixem um comentário 😉